Como controlar cupins sem produtos químicos

De Howtopedia - portuguese

Contribua com o trabalho do Howtopedia, ajude-nos a continuar escrevendo e traduzindo mais artigos praticos sobre tecnologias simples!



Tabela de conteúdo

Controle de cupins sem produtos químicos

A partir de "Controle de cupins sem produtos químicos", produzido por HDRA - a organização orgânica


Cupins: o que são?

Os cupins são um grupo de insetos (Isoptera) consistindo de 2.500 espécies dos quais 300 são considerados pragas. Os cupins são uma das principais pragas nos trópicos e podem causar problemas consideráveis na agricultura, silvicultura e habitação.

Existem várias famílias e sub-famílias. Alguns fazem ninhos subterrâneos, outros em madeira, por exemplo, árvores ocas, e alguns constroem montes. Image:Termite-undergrd.png


Antes que métodos de controle possam ser adotados, é necessária uma identificação básica da espécie da praga ou família. Isso pode ser feito através da observação do comportamento das pragas e do padrão de danos na árvore ou cultura.

O tipo mais problemático de cupins na agricultura são os cupins que cultivam fungos. Eles se alimentam de matéria orgânica morta, como resíduos de culturas, coberturas e matéria orgânica do solo (humus). No entanto, quando esse tipo de alimento não está disponível eles vão comer plantas vivas incluindo culturas como amendoim, painço e milho.

Os cupins-ceifeiros são encontrados em áreas secas e semi-desertas. Elas constroem ninhos subterrâneos que podem ser difíceis de localizar. Eles coletam material vivo de plantas verdes e causam danos à vida das gramíneas, culturas e mudas. Eles atacam plantas fracas que estão murchando ou danificadas.


Benefícios fornecidos pelos cupins?

Apesar de geralmente consideradas pragas, os cupins também podem trazer muitos benefícios. Portanto, antes que as medidas de controle sejam usadas, deve ser feita uma avaliação dos seguintes benefícios contra a perda de cupins do ecossistema.

Os benefícios incluem:

  • Aeração do solo devido a atividades dos cupins na construção de galerias.
  • A separação e liberação de matéria orgânica enquanto os cupins comem e digerem solo.
  • Melhoria da fertilidade do solo, quando cupinzeiros, que são ricos em minerais, são esmagados e incorporados ao solo.
  • Uma fonte de minerais para bovinos, que lambem os montes.
  • Uma fonte de alimento rico em proteínas para muitos organismos, incluindo formigas, pintadas (Numididae) e outros mamíferos, incluindo humanos.
  • Em alguns países, o barro dos montes está sendo usado para fazer tijolos secos ao sol mais resistentes.

Controle químico

O método de controle de cupins geralmente aceito ao longo dos anos tem sido a base de pesticidas químicos. No entanto os produtos químicos são caros e têm muitos efeitos nocivos.

Proteção para as pessoas

Os pesticidas artificiais podem rapidamente encontrar o seu caminho em cadeias alimentares e cursos de água. Isso cria riscos para a saúde dos seres humanos. Há também muita preocupação com as pessoas que usam pesticidas químicos. Os produtos podem ser indevidamente utilizados porque as instruções não estão escritas no idioma compreendido pela pessoa que os utiliza. Isto tem levado a muitos acidentes e mortes.

Proteção para o meio ambiente

Há uma série de efeitos nocivos que os pesticidas químicos podem ter sobre o meio ambiente.

  • Pesticidas artificiais podem matar insetos úteis que comem as pragas. Basta uma borifada para perturbar o equilíbrio entre pragas e predadores úteis que os comem.
  • Produtos químicos artificiais podem permanecer no meio ambiente e nos corpos dos animais causando problemas por muitos anos.
  • Pragas se tornam resistentes aos pesticidas de modo que produtos químicos mais poderosos são necessários.


Custo

Usando o controle natural de pragas e doenças é muitas vezes mais barato do que a aplicação de inseticidas químicos, porque os produtos e materiais que já estão em casa e ao redor da fazenda são mais frequentemente utilizados.

Métodos de controle orgânico

Há uma série de alternativas ao uso de pesticidas químicos para o controle de cupins. Estes métodos funcionam dentro do sistema natural e ajudam a promover os mecanismos naturais do controle de pragas.

  • Métodos de controle orgânico não poluiem o meio ambiente e não são prejudiciais aos insetos e animais benéficos, ou para as pessoas que os manuseiam.
  • Métodos orgânicos visam o uso de materiais disponíveis localmente e não dependem da importação de matérias caras vindas de outro lugar.
  • Métodos orgânicos são baratos e fáceis de usar.
  • Métodos orgânicos preservam a diversidade genética dentro do sistema de agricultura que ajuda a fornecer o número de cupins que regulam os* Métodos orgânicos ao invés de eliminá-los, de modo que os benefícios proporcionados pelos cupins não sejam perdidos.

O nível de controle depende do conhecimento das espécies de pragas, as espécies arbóreas ou de culturas, condições climáticas e outros fatores ambientais tais como tipo de solo e cobertura da vegetação local. Métodos de controle são mais eficazes quando utilizados em conjunto com os outros, com a utilização máxima de conhecimentos e recursos locais. Métodos de controle de cupins são descritos neste manual. Alguns deles vêm de pesquisas individuais e que foram amplamente testados.

Adição de matéria orgânica ao solo

Os cupins que cultivam fungos preferem comer material morto. Seus ataques são considerados por se relacionarem a solos com baixo teor de matéria orgânica. Isso ocorre porque tais solos não contêm alimentos suficientes para os cupins viverem e eles recorrem à alimentação da material vegetal existente. A adição de composto ou estrume bem-apodrecido ao solo e adubação verde ajuda a aumentar a matéria orgânica no solo.

Image:addorganicmat.gif
Escavando o composto no solo para aumentar o teor de matéria orgânica

Incentivando os predadores

Os cupins têm muitos predadores, incluindo aranhas, besouros, moscas, vespas e formigas, especialmente. Outros predadores, incluindo anfíbios, répteis, aves e mamíferos como porcos-formigueiros, pangolins, morcegos, macacos e humanos. Incentivar esse tipo de vida selvagem vai ajudar a reduzir o número de cupins. Arbustos e árvores são um abrigo para muitas dessas criaturas úteis. Estas áreas de habitat natural podem ser deixadas em volta dos campos onde as culturas se desenvolvem. Se estas áreas são destruídas há então um desequilíbrio entre as populações de predadores e pragas.

Fontes suplentes de alimentos

Danos causados por cupins que se alimentam de material vegetal morto podem ser reduzidos pela adição de material orgânico ao solo. O agricultor deve evitar que o solo fique seco e desprotegido em volta das culturas.

No entanto, há também uma solução a curto prazo, que implica em proporcionar aos cupins uma fonte alternativa de alimentos. Isso pode ser feito usando uma cobertura morta em torno da base das plantas. Cobrindo o solo com itens como feno, estrume, aparas de madeira, cinzas de madeira ou espigas de milho debulhadas tem sido demonstrado (na África do Sul e Uganda), para diminuir drasticamente os ataques de cupins. Os cupins são atraídos para a cobertura ao invés da cultura. Uma cobertura de folhas da grama Vetiver impede o ataque de cupins ao redor da base das árvores.

No entanto, oferecendo alimento substituto pode também atrair cupins para a área e aumentar o dano global feito às árvores e plantações. Cada caso é susceptível de ser diferentes e dependente das espécies de cupim e das espécies arbóreas / cultura.

A rotação de culturas

O plantio da mesma cultura sobre a mesma terra ano após ano, reduz a fertilidade do solo e da estrutura. Culturas em tais condições serão mais fracos e suscetíveis ao ataque de cupins. A rotação de cultura pode desempenhar um papel importante na redução de ataque de cupins.

A rotação de culturas significa que as culturas são produzidas em uma parte diferente da terra a cada ano. Isso pode evitar que pragas e doenças se desenvolvam e também ajudar o solo a recuperar nutrientes.

Plantas saudáveis para transplante

  • Plantas que sofrem de doença ou falta de água geralmente são mais suscetíveis ao ataque de cupins do que plantas saudáveis. Portanto, é importante que as plantas sejam mantidas saudáveis e regadas.
  • Em áreas secas recomenda-se que as sementes sejam semeadas no início da estação chuvosa para dar às plantas uma chance de se firmar e permanecerem saudáveis no campo.
  • Apenas plantas saudáveis devem ser transplantadas para o campo. Grande cuidado deve ser tomado durante o transplante e a poda (folhas e raízes) porque os cupins podem entrar nas plantas através da cicatriz dos tecidos.
  • Se houver um saco em volta da raiz de uma muda de árvore, é recomendável que ele não seja completamente removido quando esta for transplantada, pois ele pode agir como uma barreira contra os cupins. No entanto, é importante que o saco não impeça a planta / raízes de crescer. Deve ainda permitir que as raizes das plantas cresçam para dentro do solo. Vasos de fibra de banana são muito ineficazes porque os cupins vão comê-los.
  • A adição de compostos orgânicos e adubo para a área de plantio é recomendada, pois irá produzir árvores e colheitas mais saudáveis. Ao passo que, fertilizantes inorgânicos incentivam o rápido crescimento dos tecidos moles, que é mais provável de serem atacados por cupins.

Ímãs

Colocando ímãs strongbar no solo ao lado de um cupinzeiro pode prevenir um monte de crescer. Isto desorienta as espécies de cupins que constroem seus montes na direção norte-sul ao longo das linhas magnéticas.

Desmanchando os montes e a remoção da rainha

Em solos profundos e com fissuras, a simples alteração através das rachaduras, impede os cupins de construirem montes extensos. Em outros solos, a quebra artificial dos montes e galerias pode ter o mesmo efeito. Repetidas escavações e arado do solo pode reduzir danos causados por cupins. Manual e explosiva destruição de ninhos seguida da remoção da rainha também é eficaz.

Barreiras físicas

Construir barreiras em torno de construções e viveiros pode impedir o ataque de espécies subterrâneas. As barreiras devem estar parcialmente acima e abaixo do solo e devem ser compostas de material que é impenetrável pelos cupins, tais como o basalto, a areia ou cinzas vulcânicas esmagadas. O tamanho das partículas do material é fundamental, elas não devem ser demasiado grandes para que os cupins possam transportar, e não tão pequenas para que os cupins possam amontoar as partículas, criando uma passagem contínua através das quais eles podem se mover.

Plantas com resistência ao cupim

Culturas

Há pouco conhecimento sobre a resistência das culturas ao ataque dos cupins. No entanto, em geral, as culturas indígenas são mais resistentes aos cupins do que as culturas exóticas. Por exemplo, na África, o sorgo e o painço são mais resistentes aos cupins do que o milho e o feijão de corda, e nozes bambara não são atacadas enquanto o amendoim sofre sérios danos. As culturas anuais são atacadas na época da colheita, enquanto as culturas de longa duração são atacadas mais destrutivamente durante as estações de secas ou em estágios iniciais de crescimento. Pode ser aconselhável criar pequenas plantações no campo antes de plantações de larga escala a fim de descobrir se a cultura ou a árvore é resistente cupins locais em condições locais.

Árvores

O grau de resistência depende da espécie da árvore, a origem da semente da árvore, a idade eo estado da árvore, as espécies de cupins e onde a árvore está crescendo (região / país). Entretanto, como com as culturas, espécies nativas são mais resistentes do que as exóticas. A tabela a seguir dá um número de árvores e arbustos que têm se mostrado resistentes ao cupim.

Árvores e arbustos com resistência ao cupim

Espécies

Nome comum

Parte resistente ao cupim

Comentários

Acacia polyacantha

espinho hook

Mais resistente que a maioria das Acacias devido ao elevado número de resinas

Afrormosia laxiflora

Madeira / celulose

Albizia odoratissima

árvore de sombra

Madeira / celulose

Albizia zygia

Cupim durável mas não resistente

Azadirachta indica

neem, nim

Borassus aethiopum

palma africana

A madeira fibrosa é altamente resistente

Brachylaena hutchinsii

oliveira muhugu

Altamente resistente, quase impenetrável para cupins

Capparis aphylla

Madeira / celulose

Arbusto resistente a cupins

Catalpa bignonioides

catawpa comum

Resistente à Reticulitermes flavipes

Cedrus deodora

Cedro do Himalaia

Madeira / celulose

Daniellia oliveri

Goma /resina

Detarium senegalense

Madeira / celulose

Veneno oral

Dodonaea viscosa

hop bush púrpura

Madeira / celulose

Arbusto resistente a cupins

Erythropleum suaveolens

Madeira / celulose

Veneno oral

Eucalyptus microcorys

Mais resistente que outros eucaliptos

Grevillea robusta

carvalho sedoso, carvalho prata

Tolerante ao cupim na Tanzânia

Juniperus procera

cedro lápis africano oriental

Altamente resistente

Melia azedarach

cedro branco

Madeira / celulose, folhas, sementes, óleo

Veneno oral

Strychnos nux-vomica

Folhas

Veneno oral

Zanthoxylum xanthoxyloides

Madeira / celulose


Existem muitas outras espécies com propriedades termicidais, incluindo:

  • Acacia catechu (catechu, khair),
  • Acacia mearnsii (acácia-negra),
  • Acacia melanoxylon (jacarandá brasileiro),
  • Albizia saman (saman),
  • Afzelia cuanzensis (mogno pod),
  • Balanites aegyptiaca (tâmara do deserto),
  • Bridelia micrantha (mitserie),
  • Cassia brewsteeri (Brewsters cassia),
  • Casuarina cunninghammiana (river she-oak),
  • Eucalyptus camaldulensis (látex vermelho),
  • Gliricidia sepium (mãe do cacau),
  • Grevillea glauca (mogno africano oriental),
  • Leucaena leucocephala(ipil ipil).

Preparações da planta

Partes da planta e extratos vegetais podem ser utilizados de forma eficaz. Estes podem ser retirados da planta e usados como um inseticida natural pela moagem de partes relevantes, colocação em água fervente, agitando e deixando de molho. A mistura é então pulverizada sobre a cultura infestada de pragas. Em alternativa, a parte da planta, tais como sucos de frutas tóxicos, polpas ou aparas podem ser aplicadas diretamente.

Image:grinding.gif
Moagem de partes da planta para fazer uma preparação natural para o controle de cupins

Plantas com propriedades de controle de cupins

Espécies

Nome comum

Propriedade de controle de cupins

Partes utilizadas

Acacia nilotica

Egyptian thorn

Anti-inseto

Madeira / celulose

Agave americana

American aloe

Repelente, inseticida

planta inteira

Allium sativum

alho

Anti-feedant, bacteriana, fungicida, repelente

Bulbos

Anacardium occidentale

caju

Anti-inseto, repelente

Sementes, óleo

Argemone mexicana

papoula mexicana

Inseticida, repelente

planta inteira

Azadirachta indica

neem, nim

Termiticidal, anti-feedant

Folhas, sementes

Bidens pilosa

blackjack

Anti-feedant, inseticida, repelente

planta inteira, sementes maduras

Boswellia dalzielii

Repelente

Cola/resina

Calatropis gigantea

Anti-inseto

Folhas, seiva / látex / suco

Calatropis procera

Termiticidal

Látex

Carya ovata

shagbark hickory

Termiticidal

casca da árvore

Camellia sinensis

chá

Anti-feedant, insectidical

Folhas e frutos

Carica papaya

mamão

Insecticidal

Frutas, folhas frescas e raízes

Cassia siamea

cássia amarela, árvore kassof

Repelente

Utilizados como cobertura de folhas

Cedrela odorata

West Indian cedar

Termiticidal

Madeira

Chenopodium ambrosioides

mastruz

Anti-feedant, repelente, inseticida

planta inteira

Cleistanthus collinus

Repelente

casca da árvore

Commiphora africana

Termiticidal

Cola/resina

Consolida regalis

blue cloud

Termiticidal

Sementes

Diospyros ebenum

ébano

Anti-inseto

raízes

Hardwickia mannii

Termiticidal

haste / ramos

Hyptis spicigera

labiatae

Repelente

partes aéreas

Juniperus virginiana

cedro vermelho oriental

Anti-inseto

Leucaena leucocephala

ipil ipil

Repelente

Utilizados como cobertura de folhas

Melia azedarach

chinaberry, persian lilac

Anti-feedant, contact poison, repellant

Cascas, galhos, folhas, frutas, óleo

Mesna ferrea

Anti-inseto

Ocimum basilicum

manjericão

Insecticidal, repelente

planta inteira

Ocimum canum

manjericão selvagem

Insecticidal, repelente

planta inteira

Ocimum urticifolium

manjericão

extratos à base de água

Pinus strobus

Termiticidal

casca da árvore

Prosopis africana

Anti-inseto

raízes

Quassia indica

Termiticidal

Folhas

Quercus prinus

carvalho castanho

Termiticidal

casca da árvore

Samadera indica

Termiticidal

Folhas

Santalum album

sândalo

Anti-inseto

Sassafras albidium

Termiticidal

casca da árvore

Semecarpus anacardium

Anti-inseto

Sementes

Swartziamadagascariensis

Repelente

Fruto

Tagetes minuta

calêndula mexicana

extratos à base de água

Tectona grandis

teak

Repelente

Madeira / celulose

Lista de referência

‘Organic Termite Control’ (1994) P Forshaw. HDRA relatório de graduação.

Natural Pest and Disease Control’ (sem data) H Elwell and A Mass, publicado por the Natural Farming Network, PO Box 8515, Causeway, Harare, Zimbabwe.

Natural Pest and Disease Control’ (1996) Gaby Stoll, publicado por Magraf Verlag, PO Box 105 97985 Weikersheim, Germany

Artigos Relacionados

- How to Build the ARTI Compact Biogas Digestor
- How to Use Neem as a Natural Pesticide
- How to Control Termite without Chemicals
- How to Process Oilseed on a Small Scale
- How to Use Garlic as a Natural Pesticide
- How to Use Chillies as a Natural Pesticide

Notas

Contatos

Mais informações sobre controle de cupins e agricultura biológica podem ser obtidas do HDRA. As publicações incluem folhetos abrangendo compostagem, adubação verde, controle de plantas daninhas e a árvore de nim, bem como fichas de informação sobre pragas agrícolas e doenças e seu controle, pesticidas naturais e adubos verdes. Por favor, escreva para:

HDRA - the organic organisation
Ryton Organic Gardens
COVENTRY CV8 3LG
United Kingdom
Tel: +44 (0) 24 7630 3517 Fax: +44 (0) 24 7663 9229
Website: http://www.hdra.org.uk

Categorias

Ferramentas pessoais